Conecte-se com a gente

Gastronomia

Aline Müller prepara lançamento do curta-metragem “Dias Melhores”; de atriz a produtora e roteirista

Aline Müller vem trilhando uma trajetória brilhante no universo da dramaturgia brasileira, expandindo suas habilidades além da atuação para se tornar uma produtora e roteirista promissora. Fundadora da Loba Guará Filmes, Aline não apenas estrela, mas também escreveu o roteiro do inspirador curta-metragem “Dias Melhores“. Este projeto, realizado em colaboração com a Tower Filmes, não só destaca seu talento como atriz, mas também sua capacidade de contar histórias envolventes.

“Dias Melhores”, dirigido por Marcoz Gomez, é mais do que um filme; é uma narrativa de superação, onde Aline interpreta Cristina, uma personagem complexa que enfrenta desafios pessoais profundos em busca de redenção. Complementando sua atuação, o filme conta com a participação de renomados artistas como Thelmo Fernandes e Aline Menezes, cada um trazendo sua própria profundidade às telas.

Quando li a sinopse, fiquei encantada com a essência dela [minha personagem]. Ela é moradora do Vidigal, posso dizer que o desafio maior foi esse. Nunca morei em comunidade, tenho amigos que moram, já frequentei muitas vezes, mas representar uma moradora é o meu maior desafio. Estou feliz demais em poder viver essa experiência“, disse Aline Menezes em entrevista ao site imprensa.br.

Atualmente em fase de pós-produção, “Dias Melhores” está programado para estrear no Festival de Cinema Fest Cine Pedra Azul em setembro, prometendo encantar o público com sua mensagem emotiva e técnica cinematográfica de alta qualidade. Além deste projeto, Aline Muller já tem outros de curta e longa-metragem em desenvolvimento, reforçando seu compromisso com a criação de conteúdos que emocionam e inspiram.

Aline também tem deixado sua marca na televisão brasileira com participações memoráveis em séries aclamadas como “Dom”, “Sob Pressão”, “Arcanjo Renegado” e outras, como “Bom dia, Verônica”, que se tornou um sucesso internacional. Recentemente ela fez uma participação na novela “Família é Tudo”, contracenando com o ator Gabriel Godoy, que interpreta o personagem “Chicão”.  Sua capacidade de dar vida a personagens complexos e emocionantes é um testemunho de seu talento versátil e dedicação à arte da interpretação.

A arquiteta que se tornou modelo e atriz, Aline Müller mostra-se talentosa em todos os aspectos de sua carreira em constante evolução. Com sua força criativa nos bastidores do cinema nacional e seu compromisso com a qualidade e profundidade das histórias que conta, ela promete continuar a cativar audiências por muitos anos.

Continuar Lendo
Anúncio
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entretenimento

Buteko 43: O Destaque Gastronômico de Goianésia Recebe Reconhecimento Regional

No coração de Goianésia, no estado de Goiás, há um lugar onde a boa comida, bebida e entretenimento se encontram em perfeita harmonia: o Buteko 43. Este charmoso bar e restaurante ganhou destaque não apenas localmente, mas também em toda a região Centro-Oeste, recebendo recentemente uma distinção especial do aplicativo de delivery Aiqfome.

Durante o mês de março, o “Março em Dobro” promovido pelo Aiqfome agitou a região, e o Buteko 43 emergiu como líder de vendas, sendo reconhecido como o destaque de vendas na região Centro-Oeste. Essa premiação é um testemunho não apenas da qualidade dos pratos e drinks servidos no Buteko 43, mas também do compromisso da equipe em oferecer uma experiência excepcional aos clientes.

Por trás desse sucesso, estão os dedicados proprietários, Eliane Cordeiro e Fernando Morais. Com uma visão compartilhada de criar um espaço acolhedor e de alta qualidade, eles têm trabalhado incansavelmente para tornar o Buteko 43 um ponto de referência na cena gastronômica de Goianésia e além.

Para aqueles que já conhecem o Buteko 43, seu renome como um dos melhores pontos de encontro e gastronomia de Goianésia não é surpresa. No entanto, agora, sua fama se estende além das fronteiras da cidade, destacando-se como um verdadeiro ícone regional.

Uma das características marcantes do Buteko 43 é sua atmosfera acolhedora e vibrante, onde os clientes podem desfrutar de apresentações de música ao vivo com talentosos cantores locais. É o local ideal para uma noite descontraída entre amigos ou para uma refeição memorável com a família.

Além disso, o crescimento contínuo do Buteko 43 é evidente em seu quadro de funcionários altamente qualificados, dedicados a oferecer o melhor em termos de comida, bebida e atendimento ao cliente. Os clientes podem esperar uma seleção excepcional de pratos tradicionais e contemporâneos, bem como uma variedade de drinks cuidadosamente elaborados que tornam o Buteko 43 uma referência em Goianésia.

Para os turistas que visitam Goianésia, o Buteko 43 é uma parada imperdível. Além de saborear a culinária local e desfrutar da animada atmosfera do bar, os visitantes têm a oportunidade de explorar as festividades e a rica cultura da cidade, tornando sua visita uma experiência verdadeiramente inesquecível.

Em resumo, o Buteko 43 é mais do que apenas um bar e restaurante – é um destino gastronômico e cultural que se destaca como um dos melhores da região Centro-Oeste. Com sua recente premiação pelo aplicativo Aiqfome e seu compromisso contínuo com a excelência, o Buteko 43 continua a atrair clientes de toda a cidade e além, deixando uma marca indelével na cena gastronômica de Goianésia e arredores, graças à visão e dedicação de Eliane Cordeiro e Fernando Morais.

Conheça o Buteko 43 pelo instagram @buteko43.

Continuar Lendo

Gastronomia

Cobiçado no exterior, mel de melato é pouco conhecido no Brasil

Melato atrai abelhas, que o levam para as colmeias

O Brasil tem um mel único no mundo: o que é feito a partir de melato da bracatinga. Esse tipo de produto não vem do néctar das flores, mas da seiva de uma árvore, retirada por um inseto, em um processo de produção em série natural. A matéria-prima do melato da bracatinga vem da árvore que dá nome ao mel, extraída pela cochonilha, um parasita que, na maioria das vezes, é tratado como praga.

Só que, neste caso, a cochonilha, que fica na casca da bracatinga, trabalha como uma operária dessa produção. Ao digerir a seiva, expele um melato adocicado por longos fios brancos que saem do inseto, a parte visível nas árvores parasitadas por esse tipo de parasita. O melato atrai as abelhas, que o levam para as colmeias, onde é transformado em mel.

O resultado é um mel escuro, rico em minerais, que não cristaliza, anti-inflamatório e antioxidante, com mais oligossacarídeos (que atuam como fibras no organismo humano) e menos glicose e frutose, quando comparado ao mel floral. O produto tem atraído a atenção estrangeira, que já percebeu seu potencial nutritivo, mas no próprio país ainda é uma novidade.

Indicação geográfica

O mel de melato de bracatinga recebeu o selo de Indicação Geográfica (IG) Planalto Sul Brasileiro em julho de 2021, abrangendo uma área de produção de 58.987 km², com 134 cidades de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. O selo valoriza e agrega valor a produtos tradicionais de regiões delimitadas.

Há dois tipos de modalidades do selo. A indicação de procedência (IP) é dada quando o nome geográfico se associou ao produto por fatores culturais, históricos e humanos, como um patrimônio tradicional, como o queijo Canastra. Já a denominação de origem (DO) reconhece o nome do local ou região para designar o produto que as qualidades geográficas, como clima, solo e relevo influenciam nas características finais, o que é o caso do mel de melato de bracatinga.

Para o apicultor Joel de Souza Rosa, os estudos para tornar o mel de melato de bracatinga um produto com o selo de Indicação Geográfica revelaram o que eles já suspeitavam: a excelência do produto. “Encontraram 10 vezes mais minerais no mel de bracatinga e aí a gente viu que tinha ouro, um ouro negro aqui da nossa região, um mel escuro com essas propriedades tão importantes para a saúde do ser humano”, explica.

Só em anos pares

O mel de bracatinga, além de ter a restrição da região geográfica, também só é colhido durante um período curto de tempo: a cada dois anos. Nos anos pares, durante cinco meses, entre fevereiro e julho, a cochonilha está no último estágio de larva e é quando secreta mais melato. Depois, ocorre o período de acasalamento e, nos anos ímpares, postura de ovos e todo o ciclo de desenvolvimento do inseto, onde não há a produção em quantidade suficiente para as abelhas coletarem o melato.

Nos anos ímpares, os apicultores aproveitam para parasitar novas árvores. “Se você quer levar esses ovos da cochonilha para outra bracatinga, tem que remover parte da casca da árvore parasitada, com ovos que a gente não vê, para eclodir numa outra árvore e ela começar a produzir também”, esclareceu o apicultor José Alceu Perão. Ele também lembrou que as árvores têm um ciclo de vida bem definido, de sete a oito anos para soltar a seiva e, com 15 anos, já secam.

Todas essas características – nutricionais, de tempo e o selo de indicação geográfica – fazem com que o mel de bracatinga tenha um valor bem acima do mel floral. “Isso é único no mundo, não se tem conhecimento de um mel idêntico a esse”, contou Perão. Cada colmeia produz até 60 quilos por ano.

Um produto que há uma década não tinha valor algum na região. “Quando a gente viu que vendia o nosso mel de bracatinga muito barato e a Alemanha se interessou por esse mel, a gente exportava tudo para lá”, disse o apicultor Joel Rosa.

O quilo desse mel, segundo o produtor, era vendido a 70 centavos de dólar e hoje é comercializado por até cinco vezes mais. “Foi muito importante esse apoio do Sebrae, da Universidade Federal de Santa Catarina e da Epagri, na busca da IG, para saber que é um produto único de uma região, diferenciado realmente”, explicou.

Exportação

Cerca de 90% do mel de melato de bracatinga ainda é exportado, principalmente para a Europa e a Alemanha é o maior comprador, segundo o agrônomo Áquila Schneider, que coordena a produção apícola do Planalto Sul, pela Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri).

No Brasil, esse mel ainda é pouco conhecido. “A gente já nota a procura das pessoas, mas falta ainda mais divulgação, por ser um mel tão importante em minerais, que podemos consumir”, avaliou Joel.

Os apicultores da região continuam investindo no mel floral, mas hoje sabem o valor do mel de bracatinga. “Na apicultura, somos eternos aprendizes”, afirmou Perão. Ele disse que, por mais que estude e faça cursos, sempre há algo de novo descoberto pela ciência na apicultura. “Sem a abelha, a humanidade não sobreviverá, não tem polinização, não tem plantas, não conseguimos cultivar”, concluiu o apicultor.

Edição: Kleber Sampaio

Fonte: EBC

Continuar Lendo

Gastronomia

Maçã, queijo e vinho formam trio perfeito para degustar em São Joaquim

IBGE mostra caminho promissor para uma gastronomia refinada

O frio serrano do sul do país deu condições para que quatro regiões próximas de São Joaquim, em Santa Catarina, obtivessem selos de indicação geográfica: o mel de melato de bracatinga, a maçã fuji, o vinho de altitude e o queijo artesanal serrano. Um município de apenas 27 mil habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mas que mostra um caminho promissor para uma gastronomia refinada.

O selo de indicação geográfica destaca produtos que são reconhecidos por sua qualidade e tradição, tornando-os únicos no mundo. Esses produtos podem ser reconhecidos por sua denominação de origem (DO), quando a singularidade deles depende de características ambientais (como terreno, altitude, clima), ou por indicação de procedência (IP), quando um local torna-se conhecido por um produto que é tradicionalmente feito com qualidade na região.

Queijo artesanal serrano

nd-widget-wrapper context-cheio_8colunas type-image”

Continuar Lendo

Destaques