Conecte-se com a gente

Artigos

Previdência: advogado Átila Abella explica o que é a revisão da vida toda e quem tem direito

Em entrevista ao Portal Brasil 61, o advogado previndenciarista, Átila Abella explica sobre a revisão de cálculo da renda mensal inicial dos benefícios oferecidos pelo INSS

No começo deste mês, o Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou a revisão de cálculo da renda inicial dos benefícios oferecidos pelo INSS, a chamada revisão da vida toda. A proposta considera todo o período de contribuição dos segurados e não somente as contribuições feitas após a criação do Plano Real, em 1994. Mas há limitações para quem tem de fato o direito ao benefício.
Em entrevista ao Portal Brasil 61, o advogado previdenciarista, Átila Abella, explica os detalhes de quem pode pedir a revisão de cálculo, como fazer a solicitação, quais são os benefícios previstos e como não cair em golpes.

Brasil 61 – O que é e quem tem direito à revisão da vida toda?

Átila Abella – Por mais que exista uma euforia, um otimismo geral no meio previdenciário, em especial dos beneficiários do INSS, tenho que ser claro que a revisão da vida toda não é uma revisão que possa beneficiar todo e qualquer aposentado ou qualquer pessoa que esteja pensando em se aposentar. Ela é bem específica. Trata-se de uma revisão de cálculo da renda mensal inicial de quem se aposentou depois de 1999, na vigência da Lei 9.876. E antes da reforma da previdência. Ou seja, para quem se aposentou depois de dezembro de 99 e antes de novembro de 2019. Também é importante deixar claro que não é para quem ainda não tenha sido atingido pela decadência, ou seja, para quem está recebendo o benefício há mais de 10 anos. Como a revisão visa incluir no cálculo da aposentadoria as contribuições anteriores a julho de 1994, a vida toda é a revisão que deve ser feita.

BR 61 – Como os beneficiários podem solicitar a revisão da vida toda?

AA – O primeiro requisito é já ter o direito antes da reforma de 2019. O segundo é estar recebendo o benefício a menos de 10 anos. E o terceiro é ter contribuições anteriores a junho de 94. Quem se encaixa nesses requisitos, a única alternativa é buscar um advogado de confiança porque para separar quem tem direito de quem efetivamente tem uma vantagem financeira, só com o cálculo especializado. Pegar os documentos, pegar os extratos do INSS ou carta de concessão e fazer um recálculo. Isso é feito por meio de um advogado especializado em direito previdenciário. Estamos falando de um cálculo que, o que é mais importante no cálculo da renda mensal inicial do benefício, é a média contributiva. O que a vida toda faz, simplificando, tira o marco inicial temporal de junho de 94 e deixa que a pessoa apure as contribuições da vida inteira. Todos, sempre que tiveram alguma dúvida jurídica, com previdência não se brinca porque qualquer tipo de prejuízo é vitalício. É mensal e vitalício.

BR 61 – Quais são os benefícios do INSS garantidos pela revisão?

AA – Na verdade, essa é uma vantagem da vida toda. Todo e qualquer benefício que levou em conta a média e não tenha levado em conta as contribuições anteriores. Alguns não valem a pena. Por exemplo, uma pessoa recebeu um auxílio doença por alguns poucos meses, nesse caso, talvez não seja pertinente o processo para recuperar. Às vezes existe a viabilidade jurídica, mas não existe a viabilidade econômica do processo. Só quem pode separar o que vale do que não vale é o advogado previdenciarista.

BR 61 – Como evitar cair em golpes?

AA – Há muitos golpes de oportunistas dizendo que não é preciso ter advogado para fazer o processo. As pessoas na euforia acabam fazendo. Depois corre o risco do que vão fazer com os dados enviados. A revisão da vida toda contraria a lógica da evolução salarial das pessoas. A pessoa geralmente ganha mais no final da carreira, vai ganhando mais com o tempo. A vida toda tenta prestigiar maiores salários no início.

Confira a entrevista completa

Fonte: Brasil61

Continuar Lendo
Anúncio
Clique para comentar

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Como é feito o preenchimento vaginal, igual ao realizado por Rosana Menezes

No último final de semana, a modelo e empresária Rosana Menezes (@RosanaMenesesOficial) passou por um procedimento de preenchimento vaginal. Ela, que já está na casa dos cinquenta, por isso é conhecida como a “A cinquentona mais sexy do Brasil”, sempre teve um cuidado minucioso com a saúde e a aparência. Uma prova de que tem feito isso bem é ter sido capa por duas vezes na Revista Sexy, deixando muitas “novinhas” para as páginas paralelas.

Mas, enfim, qual a finalidade do preenchimento vaginal?

O preenchimento vaginal é um conjunto de procedimentos médicos e estéticos projetados para melhorar a saúde e a estética da área vaginal. Esses procedimentos variam em natureza, podendo ser desde cirurgias para remodelação vaginal até intervenções para tratar condições como a incontinência urinária.

As razões pelas quais as pessoas optam pelo preenchimento vaginal podem ser diversas, desde preocupações estéticas, melhorias na função sexual, correção de problemas de saúde até aumento da autoconfiança. O caso de Rosana Menezes, que fez uso de PRP e Plasma Gel, serve para remodelar a vulva, dando volume e hidratando o tecido, tratando o tecido conjuntivo enquanto melhora a aparência, e também o aumento do clitóris, que traz consigo um aumento no prazer na mulher.

Cirurgias de Remodelação Vaginal: visam apertar e rejuvenescer a vagina, muitas vezes procuradas por mulheres que experimentaram relaxamento vaginal após o parto ou devido ao envelhecimento.

Intervenções para Incontinência Urinária: Alguns procedimentos cirúrgicos podem ser realizados para corrigir a incontinência urinária de esforço, uma condição que afeta muitas mulheres e pode ser debilitante em termos de qualidade de vida.

Quando está escura fazemos um clareamento, se há excesso de gordura no monte de Vênus fazemos aplicação de lipolítico para redução do tecido adiposo. São vários os benefícios que vão desde os de saúde até os estéticos“, explica a Dra. Ana Lima, responsável pelo procedimento em Rosana Menezes.

A Dra. Ana Lima (@esteticanalima), que é Biomédica, Esteticista e Terapeuta Integrativa, também detalhou alguns pontos sobre o preenchimento vaginal e o uso de Plasma.

Motivações para o Preenchimento Vaginal:

Motivos Estéticos: Muitas mulheres optam pelo preenchimento vaginal para melhorar a aparência estética da área genital. Isso pode envolver a redução do tamanho dos lábios vaginais, a correção de irregularidades ou simplesmente o desejo de uma aparência mais jovem e mais atraente.

Melhora na Função Sexual: Algumas mulheres procuram o preenchimento vaginal para melhorar sua função sexual. Isso pode incluir a redução da dor durante o sexo, aumentando a sensibilidade vaginal ou restaurando a capacidade de lubrificação natural.

Correção de Problemas de Saúde: Condições como a atrofia vaginal, prolapso genital e incontinência urinária podem ter um impacto significativo na qualidade de vida das mulheres. O preenchimento vaginal pode oferecer soluções eficazes para corrigir esses problemas e restaurar o conforto e a função normal.

Aumento da Autoconfiança: Para muitas mulheres, o preenchimento vaginal pode ser uma forma de aumentar sua autoconfiança e melhorar sua autoimagem. Sentir-se confortável e satisfeito com a aparência e função da área genital pode ter um impacto positivo na autoestima e na qualidade de vida geral.

O Plasma

É um recurso extraordinário por ser autólogo, ou seja, não traz risco para paciente, tendo uma gama enorme de procedimentos que podem fazer uso dele, como exemplo:

Na estética, modula e induz a produção da MEC (matriz extracelular), aumenta a vascularização local, aumenta o aporte de oxigênio e nutre a pele, induz a cicatrização por primeira intenção e libera fatores de crescimento. Trata rugas, linhas de expressão, sulcos, poros dilatados, estrias, alopecia, efeito lifting, cicatrizes atróficas, como acne, previne queloides e cicatrizes hipertróficas.

Pode também ser usado para o rejuvenescimento das mãos, volumização dos glúteos, redução da flacidez da pele dos braços, lados internos das coxas, colo, pescoço, abdômen e do umbigo triste. Além de ser amplamente utilizado em outras áreas da saúde, como na ortopedia, cirurgia oral, na neurocirurgia para tratamento de traumatismo e fechamento do crânio, na oftalmologia para tratamento de feridas abertas na cicatrização de primeira intenção em queimados com tecido necrosado, para estimular a oxigenação perdida e na recuperação de complicações de intercorrência estética, porque estimula a cicatrização e devolve a oxigenação.

Em resumo, o preenchimento vaginal oferece uma variedade de opções para mulheres que desejam melhorar a saúde, função e estética da área genital. Seja para motivos estéticos, funcionais ou de saúde, esses procedimentos podem proporcionar benefícios significativos e melhorar a qualidade de vida das pacientes. No entanto, é importante discutir as opções com um médico qualificado para garantir que as expectativas sejam realistas e que o procedimento seja seguro e eficaz.

Rosana Menezes, e o noivo, Carlos Kaiser dizem estarem felizes com o resultado.

Se interessou? chame a Dr. Ana Lima aqui: http://contate.me/analima.

Continuar Lendo

Artigos

Uma oportunidade de sobriedade na clínica de recuperação

Vamos apresentar em seguida uma variedade de clínicas de recuperação e os tipos de tratamento para dependentes químicos, como funcionam e qual é a mais indicada considerando as peculiaridades de cada caso.

Tratamento Ambulatorial Dependência Química

Trata-se de um tipo de tratamento sem a necessidade de internação, o qual visa cuidar do aspecto cognitivo comportamental, lançando mão de um tratamento multidisciplinar, variando de acordo com a intensidade dos problemas apresentados pelo dependente.

Essa forma de abordagem funciona da seguinte forma: prioriza-se a permanência do indivíduo no meio familiar e social. Junto a isso, ele será acompanhado por uma equipe de profissionais qualificados.

A partir desse acompanhamento, a pessoa acometida pela dependência química passará por terapias que tratarão dos fatores comportamentais, emocionais, neuropsicológicos, fazendo uso de medicamentos e participando de terapia individual ou em grupo.

A abordagem ambulatorial é recomendada quando o nível de intensidade do vício é classificado como leve ou moderado, ou seja, quando a pessoa consegue vencer o desafio da abstinência por intermédio desse tratamento, não sendo preciso se submeter a terapias mais intensas e nem ficar internado.

Desintoxicação feita em hospital especializado

Em regra, a desintoxicação é considerada como a primeira etapa do tratamento do dependente químico. Basicamente, essa modalidade é definida como um processo pelo qual o corpo se libera das drogas em um ambiente adequado.

É indicada tanto para viciados mais leves quanto para os casos mais graves. Obviamente que, para pessoas cujo o vício é considerado mais elevado e que já fazem uso dessas substâncias nocivas por um tempo considerável, faz-se necessário uma desintoxicação mais estruturada.

Em virtude da complexidade que está ligada ao processo de desintoxicação, é preciso que ele seja realizado em um hospital especializado, o qual tem à disposição uma equipe de profissionais capacitados para atender da melhor forma, farmácia e farmacêuticos 24 horas, laboratório para a realização de exames, carinho de parada, caso seja necessário.

O monitoramento do paciente feito pelo corpo multiprofissional deve ser constante, por causa da imprevisibilidade das reações provenientes dos remédios ministrados, o que pode colocá-lo em risco.

Logo, estando o dependente químico sob os cuidados de um hospital bem estruturado, haverá menos chances de possíveis complicações, haja vista o pronto atendimento e as execuções de medidas adequadas ao caso.

Os programas de desintoxicação são ótimos para os que têm diferentes tipos de dependência de substâncias, como álcool, benzodiazepínicos e vícios de opioides.

É programada para administrar de maneira eficaz a retirada das substâncias químicas consumidas, objetivando amenizar ao máximo os efeitos fisiológicos intensos e perigosos decorrentes da abstinência.

A intenção é realizar a desintoxicação de uma forma mais confortável e segura de acordo com a realidade do paciente e facilitar o processo de transição para outros tratamentos contínuos da dependência, os quais buscam evitar recaídas.

Uma das formas para superar tais consequências funcionais do corpo é por meio do uso de medicamentos substitutos que gerenciam os efeitos da retirada das drogas, os quais são administrados por um médico, seja em um ambiente hospitalar ou ambulatorial. É o que intitulam como desintoxicação médica. 

É necessário destacar que a desintoxicação deve ser aplicada em paralelo com outros tipos de abordagem, porque ela sozinha não é capaz de superar, por exemplo, os problemas psicológicos, sociais e comportamentais provocados pelo abuso de drogas.

Como sabemos, a recuperação eficaz deve passar não apenas pela “limpeza do organismo”, mas também pelos aspectos emocionais, de conduta e que envolvem mudanças de hábitos. Nesse sentido, há a figura da desintoxicação social, a qual consiste em oferecer suporte emocional e psicológico.

Comunidades terapêuticas

São entidades privadas, as quais não objetivam lucro. De acordo com informações do Ministério da Justiça, na atualidade há aproximadamente mais de 1.800 comunidades terapêuticas no Brasil.

Algumas têm vínculo contratual com o Governo Federal, mediante a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD). Tais serviços são gratuitos, caso a pessoa utilize de uma das vagas financiadas pela SENAD, vale destacar.

Trata-se de um ambiente para acolhimento de dependentes químicos, os quais precisam estar em um lugar no qual receberão apoio visando a recuperação e reinclusão social do indivíduo.

A convivência é a principal ferramenta terapêutica, isto é, interação entre pessoas com condições semelhantes e que compartilham do mesmo objetivo: livrar-se do vício.

O tratamento também é planejado no intuito de criar na mente do interno na clínica de recuperação uma consciência voltada para a responsabilidade pessoal e social, bem como para uma vida socialmente produtiva, desconstruindo padrões destrutivos de comportamento.

Sabemos que os viciados em drogas perdem a credibilidade, o que dificulta a sua condição como cidadão no meio social. Essa é uma triste realidade. Então, essa abordagem é importante para a recolocação do sujeito na sociedade e para afastá-lo dos influenciadores negativos, como outros viciados e ambientes degradantes. 

No entanto, o Conselho Federal de Medicina (CFM), prescreve o Parecer nº 9/2015, em que médicos só devem indicar internação de pacientes com problemas de drogadição ou doenças mentais, concomitantes ou não, para estabelecimentos assistenciais que ofereçam assistência médica e que disponham de plantonistas, equipes de enfermagem, salas de observação e contensão, carrinho de parada e referenciamento para hospital de apoio, nunca para as comunidades terapêuticas nos casos de internação involuntárias ou compulsórias.  

Moradia assistida de dependentes químicos

A moradia assistida é uma abordagem terapêutica que objetiva amenizar o isolamento social e proporcionar um ambiente que tem a liberdade como ponto chave da continuidade do tratamento.

Essa espécie de método terapêutico busca inserir o dependente químico em um lugar o mais semelhante possível à uma casa, no qual os pacientes possam conviver com os seus semelhantes nos moldes de uma família, conhecendo uns aos outros e frequentando o meio social normalmente, como ir ao trabalho ou estudar.

É um tipo de retaguarda profissional que o dependente em recuperação tem, que fica sempre em prontidão na ocasião em que surgirem situações causadoras de frustração diante da quebra das expectativas ou responsabilidades não cumpridas.

Os pacientes ou moradores são assistidos por profissionais, os quais têm a missão de prevenir recaídas e recuperar a dignidade do ser humano.

Essa equipe nos tipos de tratamento de dependentes químicos, em geral, é formada por assistente social, terapeutas ocupacionais, psicólogos, enfermeiros e médicos. A formação dos profissionais varia de acordo com o programa adotado.

É importante destacar que tais ambientes são constituídos por regras e deveres repassados claramente para os que ali moram. É uma forma de desenvolver nos pacientes a consciência de responsabilidade e noção de convivência coletiva. A premissa é viver em família e cumprir os encargos.

Progressão da dependência química

O corpo e o organismo começam a se acostumar com as doses que o usuário ingere, visto que a maioria das drogas traz um hábito, o que com o tempo, causa uma sensação de insatisfação e diminui o prazer.

O que vai forçar a pessoa a aumentar a dose ou procurar outras drogas para voltar a ter a mesma satisfação. Essa disfunção vai causar um distúrbio no cérebro da pessoa, pois ele vai começar a entender que a droga é a sua única fonte de prazer.

Essa satisfação imediata faz com que o usuário deixe de lado outras atividades que antes eram interessados, como a socialização, trabalhos, atividades físicas, estudos.

Depois que todas as outras fontes de prazer já não são mais importantes, perdendo o seu significado, um grande perigo pode ser apresentado. O consumo exagerado e sem controle vai aumentar o risco de contrair doenças ou ainda ter uma overdose, dependendo do tipo de substância.

A dependência química faz a pessoa acreditar que está sentindo muito prazer por conta das sensações no cérebro. Assim que o efeito passa, a ansiedade toma conta e a síndrome de abstinência começa a agir.

Conscientização e tratamento

Por conta de todos os fatores que são prejudiciais por conta do uso da droga, é muito importante ter conscientização do que está acontecendo.

O usuário precisa entender os malefícios que a droga traz para a sua vida, percebendo as alterações no organismo, transtornos psicológicos e afastamento das pessoas próximas.

O impacto pode ser sentido em todos ao redor, sejam amigos ou familiares. A alteração na vida do dependente químico é um fator que deve ser levado em consideração para que possa começar a pensar em alternativas para se tratar.

Os espaços de uma clínica de recuperação são adequados para que o dependente químico encontre o tratamento adequado para a sua necessidade, com a ajuda profissional especializada.

Como solicitar o tratamento involuntário?

Quando a família consegue identificar o usuário de drogas ou alcoólatra, muito provavelmente que o nível da dependência esteja em um grau muito elevado.

Normalmente, com o passar do tempo, este nível de dependência apenas tende a aumentar, colocando em risco a vida do dependente e de todos que vivem a sua volta, principalmente se levarmos em conta que um dependente, quando dominado pelo vício e em uso da substância, não consegue dar um basta no consumo e, em sua maioria, perde o controle de seus atos, noções de realidade, da moralidade ou regras sociais.

O tratamento involuntário se faz necessário e correto para impedir o domínio das drogas ou álcool sobre o dependente, de maneira segura, profissional e eficaz.

Conscientizados da necessidade de intervenção para proteção da vida, não há tempo a perder. Com a incapacidade do dependente de tomar a decisão de aceitar ajuda ou de concretizar um tratamento voluntariamente para obter uma nova vida sem o domínio das drogas ou álcool, cabe aos responsáveis ou familiares a tomada de decisão.

Tratamento Involuntário (também referido pelos patrocinadores como tratamento assistido e por críticos como tratamento forçado), no contexto da medicina, refere-se a um tratamento médico realizado sem o consentimento do paciente. 

Em grande parte dos casos, refere-se ao tratamento psiquiátrico administrado a um indivíduo apesar das objeções deste. Estes são normalmente indivíduos que tenham sido diagnosticados com transtorno mental e (nos Estados Unidos) são considerados por um tribunal como um perigo para si ou para outras pessoas.

Este tipo de procedimento salva milhares de vidas todos anos por isso não deixe de ajudar, buscando clínicas de reabilitação de dependentes químicos e alcoólatras, você pode contar com nossa equipe que conta com unidades de recuperação em todo Brasil.

O médico avaliará o procedimento para te direcionar ao SUS onde você vai conseguir aia clínica de recuperação e involuntária gratuita, dentre outras coisas, se o estado mental do paciente oferece risco a si próprio ou a terceiros, a principal prerrogativa para uma internação involuntária.

Um dos problemas é que a avaliação do risco é subjetiva e depende do julgamento do profissional, que muitas vezes colide com a opinião da família.

Não deixe o problema se agravar o Grupo Casoto e as clínicas de recuperação Viva Vida contam com dezenas de clínicas de recuperação espalhadas pelo Brasil, atendendo de modo particular e através de convênio médico.

www.clinicavivavida.com.br

Fale via WhatsApp: (11)94797-6909

Continuar Lendo

Artigos

O que é o mercado de carbono e como ele funciona no Brasil

Mercado de crédito de carbono esteve no centro dos principais debates na 27ª edição da COP 27, realizada pela ONU, no Egito

O mercado de crédito de carbono esteve no centro dos principais debates na 27ª Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (COP27), realizada em novembro no Egito. Apesar de poucas definições, houve avanço quanto às regras e padronizações para o funcionamento desse mercado.

O mercado de crédito de carbono se refere ao sistema de compensações de emissão de carbono. Isso se dá por meio da aquisição de créditos de carbono pelas companhias que não atingiram suas metas de redução de gases de efeito estufa (GEE) daquelas que reduziram suas emissões. O presidente da Associação Brasileira de Direito da Energia e do Meio Ambiente (ABDEM), Alexandre Sion, explica que as empresas podem se interessar na aquisição de créditos de carbono para que possam cumprir suas metas de emissão de gases poluentes.

“A compra de crédito de carbono traz para as empresas uma série de vantagens, incluindo a redução das emissões de gases de efeito estufa na atmosfera, a incorporação da sustentabilidade como valor agregado, o desenvolvimento de novas oportunidades de negócios e o ganho de imagem e criação de valor da iniciativa sustentável. Seja a médio ou longo prazo, essa prática pode promover o crescimento da companhia e a geração de novos empregos”.

No Brasil, os setores mais promissores para gerar créditos de carbono são os de floresta, o agropecuário e o de energia. A mestre em planejamento energético e ambiental e gerente geral de consultoria da WayCarbon, Laura Albuquerque, explica ainda que o país pode movimentar entre US$ 493 milhões e US$ 100 bilhões com o mercado de carbono e gerar 8,5 milhões de empregos até 2050.

“Muitas dessas atividades também têm oportunidades de geração de novas fontes de renda, um potencial de aumento da receita líquida, além dos benefícios socioambientais. Ficou muito claro que há um fortalecimento das cadeias produtivas de cada um desses setores, ao elaborarem um projeto de redução de emissão e, consequentemente, uma geração de crédito de carbono dentro desses segmentos”, destaca.

No setor agropecuário, uma das preocupações é com o aumento da eficiência, ou seja, produzir mais numa mesma área ou reduzir a idade de abate, por exemplo. É o que explica o coordenador de Sustentabilidade da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Nelson Ananias.

“Todo produtor rural ele já, uma vez que ele intensifica, que ele consegue trazer uma maior produção e ou produtividade a sua propriedade rural, ele já está contribuindo com o mercado de carbono, ele já está contribuindo para atingir a meta do Acordo de Paris, do Acordo do Clima”, aponta.

Diante da relevância do tema, o Congresso Nacional conta com mais de uma proposta em tramitação para tratar do assunto. Uma delas é o projeto de lei 412/2022, do Senado, que traça diretrizes gerais para estabelecer o Mercado Brasileiro de Redução de Emissões. Já na Câmara dos Deputados tramita o projeto de lei 528/2021, que institui o Mercado Brasileiro de Redução de Emissões (MBRE), e busca regular a compra e venda de créditos de carbono no Brasil.

Para a senadora Daniella Ribeiro (PSD-PB), que esteve presente nas discussões da COP27, crescimento econômico e sustentabilidade ambiental são indissociáveis. “Não há como a gente pensar em desenvolvimento sem se preocupar com a questão climática, o progresso dos países obrigatoriamente passa pelo meio ambiente. A questão ambiental deve ser pensada e discutida de forma global, para que a gente possa ter êxito e para que a gente possa também evitar problemas ainda mais sérios que tragam consequências negativas para todos nós”, afirma a parlamentar.

Fonte: Brasil61

Continuar Lendo

Destaques